Mostra cinematográfica sobre Mazzaropi é o destaque da semana

0
269

Em cartaz na Cinemateca, apresenta vários
longas que marcaram a carreira do artista

Mazzaropi

A Cinemateca apresenta, neste final de semana (13, 14 e 15/04/2012), uma mostra de filmes sobre Mazzaropi. No local, serão exibidos longas que marcaram a carreira deste artista. Um dos destaques é o filme Jeca Tatu, que o tornou conhecido como o caipira do interior paulista.

Mazzaropi, na Cinemateca
Um dos comediantes mais conceituados da indústria cinematográfica brasileira completaria cem anos se estivesse vivo. Amácio Mazzaropi (9/4/1912-13/6/1981) é o homenageado da mostra de filmes da Cinemateca, neste final de semana, em duas sessões diárias. O paulistano, que também era diretor, roteirista e produtor, cresceu em Taubaté, começou sua carreira no circo, depois rádio, TV, e se consagrou um representante cômico da cultura popular no cinema nacional, conhecido como o caipira do interior paulista, no imaginário brasileiro.

Encarnando tipos populares, se utilizava do deboche e da sátira no conflito entre o caipira e a cidade, questões agrárias e raciais, modernização e atraso, o cangaço, mudanças comportamentais. Foram produzidos 32 longas-metragens entre as décadas de 1950 e 1970. Em seu primeiro filme, Sai de baixo (1952), dirigido pelo cineasta e dramaturgo Abílio Pereira de Almeida, Mazzaropi é um humilde motorista proprietário de um caminhão caindo aos pedaços e lotado de tralhas. Acompanhado por seu cachorro, apronta todas as confusões possíveis envolvendo quem aparecer no caminho.

A produção Jeca Tatu (1959), dirigida por Milton Amaral, foi recorde de bilheteria. Baseado no personagem Jeca Tatu, de Monteiro Lobato, narra o roceiro preguiçoso e simplório que vive na zona rural de uma cidadezinha do interior de São Paulo, com sua mulher e filha, e usa todo o seu jeito matreiro para conseguir seu cantinho de terra. O clássico trata com singeleza a figura do homem do campo e a questão da reforma agrária. O cineasta fundou em 1958 sua companhia, a PAM (Produções Amácio Mazzaropi), em Taubaté, e produziu filmes por conta própria, sendo primeiro lançamento o Chofer de praça.

Em 1961, inaugurou seu estúdio de gravação, com Tristeza do Jeca (1961), primeiro filme em cores. A homenagem reúne ainda outras obras estreladas por Mazzaropi. Podem ser vistos clássicos do diretor em cópias restauradas pela própria Cinemateca: Zé do Periquito (1961), O lamparina (1963), Candinho (1953), Nadando em dinheiro (1952), Aventuras de Pedro Malazartes (1960). Confira programação no site http://www.cinemateca.gov.br/.

Cinemateca Brasileira
Largo Senador Raul Cardoso, 207
Vila Mariana – Telefone 3512-6111
13/04 – 18h30 e 20h30
14/04 – 19 e 21 horas
15/04 – 18 e 20 horas
Ingressos: R$ 8 e R$ 4 (meia-entrada)
Entrada franca para maiores de 60 anos e estudantes de escolas públicas
Classificação: livre

Do Portal do Governo do Estado e Agência Imprensa Oficial

Sem comentários

Deixe uma resposta